terça-feira, 28 de agosto de 2012



É urgente o amor. 
É urgente um barco no mar. 

É urgente destruir certas palavras, 
ódio, solidão e crueldade, 
alguns lamentos, 
muitas espadas. 

É urgente inventar alegria, 
multiplicar os beijos, as searas, 
é urgente descobrir rosas e rios 
e manhãs claras. 

Cai o silêncio nos ombros e a luz 
impura, até doer. 
É urgente o amor, é urgente 
permanecer.

Eugénio de Andrade




2 comentários:

Eliane F.C.Lima disse...

Só eu sei como isso é urgente!
Eliane F.C.Lima (Blogue "Poema Vivo")

teresa santos disse...

Beijinho, Eliane :)